Loading
Caso Moro explicita mudança ideológica no 'partido da Justiça'
FOLHA DE S.PAULO
Wed, 12 Jun 2019 11:30

Caso Moro explicita mudança ideológica no 'partido da Justiça'

FOLHA DE S.PAULO
Wed, 12 Jun 2019 11:30

Acompanhar a ruína intelectual da vida pública brasileira é um processo que exige um tanto de fígado e grande abertura mental, tamanhas as trocas de papel dos atores dessa tragicomédia aparentemente sem fim.

Caso Moro explicita mudança ideológica no 'partido da Justiça'

Tome o exemplo da crise envolvendo o ministro Sergio Moro, que na condição de juiz trocou mensagens acerca da operação que o consagrou, a Lava Jato, com o procurador Deltan Dallagnol. Cada um vê o que quiser nas conversas divulgadas até a confecção destas linhas, e o fato de as visões antagônicas serem inconciliáveis sob a lente da racionalidade é apenas um traço da escuridão em que nos metemos.

Como falamos de uma obra aberta, a julgar pela promessa de novas revelações, passemos para o pano de fundo do embate ora em curso, que nada mais é do que um novo capítulo da disputa entre voluntaristas e legalistas do sistema jurídico-policial brasileiro.

Pinço aqui uma frase escrita durante uma fase que eu já considerava avançada do embate, publicada numa coluna em 24 de dezembro de 2009. Quase cinco anos antes da Lava Jato obliterar o sistema político do país.

“Tudo começou com a ascensão do promotor/procurador, que depois de 1988 viu-se investido de poderes para desvendar a roubalheira nacional. Isso produziu boas notícias, mas criou uma casta de monstros da virtude —devidamente estimulada por um jornalismo com o qual convive em mutualismo.Policiais entraram na equação e, por fim, juízes se uniram ao projeto. Não por acaso, esse povo todo se filia à esquerda e acredita na via gramsciana de mudança da sociedade pela imposição de valores.”

O primeiro parágrafo poderia resumir muito do que aconteceu de 2014 para cá, mas o segundo trai o nó tático que jornalistas tomamos da nossa realidade bizarra (noves fora a citação a Gramsci, que no contexto demente de hoje me garantiria a acusação de ser olavista, cáspite!).

Naquele momento, escrevia sob o impacto do questionamento da depois enterrada Operação Satiagraha, expressão máxima até então do voluntarismo em nome da dita “boa causa”. Ali, seria seguro ver no chamado “partido da Justiça” todos os signos de uma agremiação de esquerda.

Quem diria que, dez anos depois, o conglomerado deveras empoderado pela Lava Jato seja uma sigla de direita, alvo de ataques enfurecidos da esquerda que um dia militou em seu favor. Alguém se lembra do procurador Luiz Francisco? Do delegado Protógenes? Hoje é a vez dos Moros e Dallagnols.

Uma teoria possível para essa transmutação é que o universo jurídico-policial acompanhou o movimento da sociedade —que elegeu quatro vezes nomes de centro-esquerda para desembocar num de direita, não sem antes passar pelas contrações agudas de 2013 e 2016.

Do lado da corruptores e corrompidos, ao menos a coisa é mais clara: a bandalheira nunca respeitou firulas ideológicas, infectando todo o espectro político, dadas as condições básicas de acesso ao poder de um grupo ou de outro.

Seja lá como for, as narrativas já estão todas amarradas dos dois lados. Os palcos dos próximos embates são o Congresso e o plenário do Supremo —aqui, a coisa já está bem mais delineada pelas manifestações previsíveis.

O pior é que, todos estando errados, todos estão certos. Moro pode até sobreviver ao processo, obviamente a depender do que mais emergir contra ele, mas tudo indica que daqui a dez anos este 2019 será visto mais um ponto de inflexão nessa história.