Loading
A polícia como inimigo
FOLHA DE S.PAULO
Wed, 26 Jun 2019 06:30

A polícia como inimigo

FOLHA DE S.PAULO
Wed, 26 Jun 2019 06:30

A polícia como inimigo
Depois de semanas de protestos que levaram ao engavetamento do projeto de lei de extradição em Hong Kong, a indignação popular tem novo alvo: a polícia. As cenas de abuso policial durante a onda de manifestações pacíficas no território autônomo chinês geraram revolta.

Enquanto um ínfimo grupo de manifestantes esbravejou e atirou objetos contra policiais, oficiais bem equipados da tropa de choque responderam com força. Os confrontos deixaram 58 manifestantes e 22 policiais feridos.
Para justificar a violência, a polícia chamou os protestos do dia 12 de junho de “tumulto”, ação que abre as portas para severas consequências legais.

A ex-colônia britânica garante o direito à manifestação, já o “tumulto” pode ser punido com até dez anos de prisão. Da mesma forma como ocorreu em 2014, a ação violenta das autoridades serviu não para dispersar, mas para mobilizar ainda mais manifestantes nos dias que viriam.

O uso desproporcional de gás lacrimogêneo, spray de pimenta, balas de borracha e pela primeira vez do bean bag, outra munição não letal, vem provocando novos protestos, dessa vez contra a atuação das forças de segurança. A sede da polícia de Hong Kong foi cercada por milhares de manifestantes na última sexta-feira (21), e ovos foram arremessados no brasão da instituição.

Os gritos pediam a liberação de manifestantes presos, a abertura de uma investigação sobre abuso policial e a demissão do secretário de Segurança, John Lee, e do chefe da polícia local, Stephen Lo. Dias antes, um raro protesto feminino já havia apontado o dedo para a polícia. Cerca de 6.000 mulheres condenaram a brutalidade policial em frente à sede do governo.
Com cartazes com os dizeres "tire as mãos dos nossos filhos", "todo o poder para a juventude de Hong Kong" e "não atire nos jovens", elas tentaram conter a escalada de enfrentamento nas ruas.

Outro protesto reuniu profissionais da saúde e do setor jurídico para denunciar a prisão de manifestantes que buscaram atendimento médico em hospitais públicos. Uma nova forma de ameaça que fere as garantias legais vigentes. A efervescência política na ilha de Hong Kong, onde estão escritórios na Ásia dos principais veículos internacionais, tem rendido ampla cobertura internacional. 

Novos protestos estão marcados, e está em curso uma campanha de financiamento coletivo para a publicação de uma carta aberta sobre a erosão das liberdades na capa de jornais estrangeiros e, com isso, pressionar a opinião pública internacional às vésperas da Cúpula do G20, no Japão.Nessa semana, o Reino Unido suspendeu as licenças de exportação de equipamentos para a tropa de choque de Hong Kong e pediu que o território conduza uma investigação independente sobre os confrontos entre polícia e manifestantes.

O território autônomo chinês não tem Exército e conta com um efetivo de 30 mil policiais. A polícia de Hong Kong é uma das mais antigas do mundo e carregou por muito tempo a reputação de ser a melhor da Ásia, a mais sofisticada, menos corrupta e com a melhor performance, embora falte preparo e mecanismos para lidar com o feminicídio e a violência doméstica.

Mesmo assim, o centro financeiro asiático é uma cidade extremamente segura. Aparece em 9º lugar no ranking das cidades com maior segurança em 2017 do Economist Intelligence Unit, com baixo índice de crimes violentos, oficiais bem pagos e treinados, taxa de criminalidade em queda. Estatísticas de fazer inveja às capitais brasileiras. Mas a instituição vem se tornando um inimigo público. O abuso policial —que pode parecer banal para o leitor brasileiro acostumado a doses diárias de violações perpetuadas pelas forças policiais nas grandes cidades do país— é intolerável para os padrões de Hong Kong.

A ação violenta contra manifestantes é vista como termômetro da erosão da autonomia política e das liberdades civis no território.