Loading
Erdogan ameaça liberar refugiados para a Europa se for questionado por ação na Síria
FOLHA DE S.PAULO
Thu, 10 Oct 2019 12:39

Erdogan ameaça liberar refugiados para a Europa se for questionado por ação na Síria

FOLHA DE S.PAULO
Thu, 10 Oct 2019 12:39

As forças da Turquia mataram 109 combatentes durante a operação militar que realizam no norte da Síria, segundo o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Erdogan ameaça liberar refugiados para a Europa se for questionado por ação na Síria


"A operação continua com o envolvimento de todas as nossas unidades. 109 terroristas foram mortos até agora", disse Erdogan, em discurso a membros de seu partido em Ancara.
A Turquia iniciou na quarta-feira (9) uma ação militar contra os curdos no norte da Síria, depois que os EUA retiraram tropas da região e disseram que não iriam se opor à operação.
No segundo dia de operações, a região foi alvo de diversos ataques aéreos, segundo a BBC. Dezenas de milhares de pessoas deixaram suas casas para fugir dos bombardeios.

Segundo o Crescente Vermelho Curdo, ao menos sete civis foram mortos, incluindo duas crianças. 

Erdogan também ameaçou liberar a saída de 3,6 milhões de refugiados sírios para que eles possam seguir para a Europa, caso os países daquele continente sigam questionando sua operação militar.
"Vamos abrir os portões e mandar 3,6 milhões de refugiados seguirem seu caminho", disse Erdogan.

Na quarta (9), França, Reino Unido e mais três países europeus pediram uma reunião no Conselho de Segurança da ONU para debater a ação turca. Os dois países, assim como Alemanha e Itália, criticaram o ataque. A reunião deve ocorrer nesta quinta (10).

Erdogan considera os curdos como terroristas, e diz que a ação contra eles visa proteger seu país e também abrir espaço para que os refugiados abrigados na Turquia possam ser realojados na Síria.

Frente à grande quantidade de sírios que seguiam para a Europa, em 2016, a União Europeia fez um acordo com a Turquia para que essas pessoas ficassem alojadas no país, em campos de refugiados. O país se comprometeu a receber também refugiados que fossem capturados no mar enquanto tentavam rumar para a Europa. 

Nesta quinta (10), o chanceler da Itália,  Luigi Di Maio, classificou a operação como "inaceitável" e disse que outras ações similares no passado geraram mais terrorismo. 

Erdogan também criticou países do Oriente Médio, como Arábia Saudita e Egito. "Eles não são honestos, eles apenas maquiam palavras. Nós, contudo, fazemos ações, e essa é a diferença entre nós e eles". 

A pedido do Egito, a Liga Árabe fará uma reunião no sábado (12) para tratar da operação.

O Irã também condenou a operação e defendeu que ela seja suspensa imediatamente. A Rússia, aliada do regime sírio, disse que planeja mediar o diálogo entre a Síria e a Turquia. 

Depois do início da operação, o presidente Donald Trump recuou e disse que não estava abandonando os curdos. E agora afirma, em nota, que o ataque foi "uma má ideia" e que não tem apoio dos EUA. 

A repórteres, Trump disse também que os curdos "lutam por sua terra" e que não ajudaram os EUA durante a Segunda Guerra. "Não nos ajudaram com a Normandia", afirmou. 
Estado Islâmico

Até a semana passada, os curdos eram aliados militares dos EUA na luta contra o grupo terrorista Estado Islâmico, que perdeu o controle dos territórios que dominava na Síria e no Iraque.

O comando dos curdos no norte da Síria acusou a Turquia de atacar uma prisão onde estavam detidos ex-combatentes do Estado Islâmico, em Chirkin. Nessa cadeia, havia presos de mais de 60 nacionalidades diferentes. 

Um dos temores gerados pela ação turca é a de que ela abra caminho para que os integrantes do EI escapem e se reorganizem. O EI perdeu os territórios que chegou a dominar na Síria e no Iraque, mas não foi completamente derrotado. 

As FDS (Forças Democráticas Sírias, lideradas pelos curdos) mantém presos milhares de ex-combatentes do EI, além dos familiares deles. 

"O número de agentes protegendo as prisões diminui conforme as batalhas se intensificam. Isso gera um grande perigo [de que ocorram fugas]", disse Badran Jia Kurd, membro da cúpula das forças curdas, à Reuters.