Loading
Nancy Pelosi confirma que impeachment de Trump vai avançar
Público
Thu, 05 Dec 2019 14:33

Nancy Pelosi confirma que impeachment de Trump vai avançar

Público
Thu, 05 Dec 2019 14:33

A presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, anunciou esta quinta-feira que o processo de impeachment de Donald Trump vai avançar, depois das conclusões do relatório elaborado pela Comissão de Serviços Secretos.

Nancy Pelosi confirma que impeachment de Trump vai avançar

Mais populares
“Os factos são incontestáveis. O Presidente abusou do seu poder em benefício próprio e às custas da nossa segurança nacional”, declarou Pelosi, numa conferência de imprensa no Capitólio, em Washington. “É a nossa democracia que está em causa. O Presidente não nos deixa outra escolha que não agir, porque ele está a tentar, uma vez mais, corromper as eleições a seu favor”, acrescentou a líder democrata, e anunciou que vai pedir a redacção dos artigos de impeachment, que representam as acusações contra Trump a serem votadas pela Câmara dos Representantes.
Quase em simultâneo, Trump publicava uma mensagem no Twitter em que acusava os democratas “de não terem argumentos para o impeachment”. “Se me vão destituir, façam-no já, rápido, para que possamos ter um julgamento justo no Senado”, acrescentou.
Esta semana, a Comissão de Serviços Secretos apresentou o relatório elaborado a partir dos depoimentos a dezenas de antigos membros da Administração Trump e concluiu que o Presidente norte-americano cometeu abuso de poder. Porém, o documento contou apenas com os votos favoráveis dos congressistas democratas.

Na próxima fase, cabe à Comissão de Justiça redigir os artigos que fundamentam o pedido de destituição do Presidente que serão votados pela Câmara. Segue-se um julgamento realizado no Senado, que passa a ser presidido pelo presidente do Supremo Tribunal, no qual os senadores funcionam como júris e os congressistas como procuradores da acusação. Os democratas estão convictos de que é possível votar a destituição na Câmara até ao Natal, segundo a imprensa norte-americana.
Até agora, tanto democratas como republicanos têm mantido a disciplina partidária em relação à destituição de Trump – um tema que também divide o eleitorado, de acordo com os estudos de opinião. Se esse panorama se mantiver, os artigos serão facilmente aprovados pela Câmara dos Representantes, onde os democratas são maioritários, mas não terá a luz verde do Senado, controlado por uma maioria republicana, onde são necessários dois terços do voto para que o Presidente seja efectivamente afastado.

O processo de destituição, iniciado em Setembro pela maioria democrata, tenta aferir se Trump usou o seu cargo para forçar o Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, a abrir uma investigação aos negócios do filho de Joe Biden no país. Em troca, o Presidente norte-americano bloqueou o fornecimento de ajuda militar ao Exército ucraniano que combate os grupos pró-russos no Leste do país e fez depender uma recepção a Zelenskii na Casa Branca do cumprimento dos seus pedidos.
Trump e o Partido Republicano negam as acusações, argumentando que não está provado que houve um pedido de troca directa – denominado como “quid pro quo" – e enquadrando o pedido de impeachment como uma luta partidária.
Continuar a ler